Quem somos

Objetivo

A Rede Latino-americana de Estudos Pentecostais (RELEP) é uma instância continental de produção e difusão de pesquisas sobre os pentecostalismos observados na América Latina.
 
É formada por acadêmicos/as pentecostais que realizam seus estudos de pós-graduação (mestrado e doutorado),  pesquisando os mais diversos temas dos pentecostalismos latinos em diferentes campos do saber: Ciências da Religião, Teologia, História, Sociologia, Antropologia, Educação, Geografia etc.

Não tem orientação político-partidária ou ligação com instituições religiosas. Cada pesquisador/a é responsável por sua própria pesquisa no âmbito das instituições acadêmicas em que estão ligados.

Como nasceu

Nossa história continental

A história da RELEP começou com uma reunião de pesquisadores do pentecostalismo latino-americano no México, em 1998. Eram eles: Daniel Chiquete (México), Bernardo Campos (Peru), Luís Orellana (Chile) e Yara Nogueira (Brasil). Chiquete, na época, conseguiu apoio da Missionsakademie, da Universidade de Hamburgo, para conceber uma ideia central: formar uma rede de pesquisas sobre os pentecostalismos latinos. Com isso, pensou-se na ideia de realizar encontros nos países latino-americanos com o intuito de reunir outros pesquisadores.

O primeiro encontro foi no Chile, em 1999, onde além dos já citados, participou também Gedeon Alencar, do Brasil, na época ainda cursando seu mestrado. O Chile receberia outros dois encontros, em 2008 e 2010. Houve os encontros na Costa Rica (2002), Equador (2011), Panamá (2016) e Brasil (2018). Desses eventos nasceram cinco livros da coletânea Voces de Pentecostalismo Latinoamericano.

Nossa história no Brasil

Mesmo com a participação de Yara Monteiro e Gedeon Alencar desde o primeiro encontro, ainda não havia sido possível viabilizar algo no Brasil nos primeiros anos. Depois do encontro no Equador, em 2011, com a participação de Valeria Vilhena, Gedeon Alencar e David Mesquiati, o grupo voltou fortalecido. Com isso, David e Gedeon organizaram o capítulo brasileiro da rede, que realizou seu primeiro encontro nacional em 2012.

Considerando as dimensões continentais do Brasil, não é fácil realizar encontros nacionais com a periodicidade devida. Ademais, constatamos as dificuldades para conseguir financiamento para nossos encontros via instituições acadêmicas e de fomento. Dessa forma, desde o primeiro momento, resolvemos que cada pesquidador/a financiaria sua participação – passagens e hospedagem – nos eventos da Rede, situação que tem sido bem conduzida pelos participantes.